O SENTIDO DA VIDA NA FILOSOFIA DE SØREN KIERKEGAARD

Walace Alexsander Alves Cruz

Resumo


Nosso artigo objetiva investigar o problema do sentido na filosofia de Søren Kierkegaard a partir do paradoxo fé e razão. Tomamos como caminho analítico suas obras pseudônimas Tratado do Desespero, Pós-Escrito às Migalhas filosóficas e Temor e tremor para compreender como o pensador de Copenhague lida com os dessentidos da existência humana. Kierkegaard não propõe uma filosofia irracionalista, mas, também, não conforma em submeter à fé os ditames da racionalidade. Para o autor a razão é limitada e insuficiente, inclusive, como dispositivo promotor de sentido, sentido que encaminhe ao telos eterno. O filósofo dinamarquês propõe a contraponto de uma ontologia idealista ou uma ontologia-materialista, uma ontologia-transcendente como única via possível para dar sentido ao homem.
Palavras-chave: Sentido. Fé. Razão. Ontologia. Homem.


Palavras-chave


Sentido, fé, razão, ontologia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este periódico está indexado no Latindex (Sistema Regional de Informação em Linha para Revistas Científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal); Sumários.org, no Diadorim, no LivRe e no LatinRev o acesso aberto aos artigos por meio de repositórios institucionais.